Conto

Conto

A eternidade e seu epílogo

por

Fazia um frio sutil na sala de espetáculo. Um frio que, entre os espaços da música, era sentido como um retinir metálico, um badalar de sinos, só que esférico. A plateia, imersa em breu e silêncio, era toda olhos e ouvidos atentos e pele arrepiada ao toque daquele frio esférico que preenchia os hiatos da […]

Ponto do conto

Cidades e noites

por

No Porto, a uns 30 metros de altura, dependurados na ponte D. Luís à espera do salto no Rio Douro, […]

Ponto do conto

Marita, em linha reta

por

Chega o momento: a grande porta é aberta por dois homens com bigodes parecidos entre si. Arrastada no assoalho, permite […]

Novos contistas

EL VATE

por

Já bem moço descobriu a vocação, que depois virou ardência, alma, fé… Ainda não profissão, mas isso por mero impedimento cronológico. “Quem almeja e planeja recebe a vida numa prateada bandeja”, sustentava Pedro, na máxima que sustentava sua existência. E ele, com atrevimento incomum para os meninos de sua idade, planejou um roteiro de sucesso […]

Ponto do conto

Um homem célebre de machado de assis

por

Para abrir este espaço da revista ponto destinado À literatura escolhemos Machado de Assis (1839 – 1908), um dos maiores contistas da literatura brasileira de todos os tempos, fundador e patrono da cadeira n.º 01 da Academia Brasileira de Letras. Em contraponto à coluna Ao pé da letra, do também acadêmico Arnaldo Niskier, optamos por […]

Ponto do conto

Ali

por

Era sábado e eles haviam acordado cedo. Uma expectativa silenciosa os movia, o encontro com a família há duzentos quilômetros da cidade onde residiam, algumas horas de viagem, cortando canaviais, montanhas, túneis, e, de repente, ao fim de uma vereda, Olha, olha lá, o sítio! O homem, talvez porque era à casa de seu irmão […]

Ponto do conto

Uma tarde em Havana

por

PARA M.R. Cuba em agosto arde e para proteger minha pele muito clara, que exposta ao tempo ganha uma coloração avermelhada, me lambuzo de protetor solar e me enfio numa camiseta de malha branca, mangas compridas. Havia desembarcado em Havana na sexta-feira à noite e no sábado de manhã atravessei o amplo saguão do Hotel […]

Ponto do conto

O que cada um disse

por

“Sei, sei, claro. Bom sujeito. Ele vem sempre aqui, à banca. Amanhã mesmo ele… Como?… Verdade?… Santo Deus!…” “Caridoso, muito caridoso. Tanto ele quanto a mulher. Um casal de comunhão frequente. Eles vinham aqui, à capela da irmandade; eles preferiam vir aqui a ir à catedral. Ele era um sujeito humilde, apesar de rico. Os […]